jusbrasil.com.br
19 de Setembro de 2019

Qual seria a solução para a violência na escola de Suzano?

Nadir Tarabori, Consultor Jurídico
Publicado por Nadir Tarabori
há 6 meses

Reproduzo aqui um texto que recebi em meu celular.

Agora todos querendo entender a violência ocorrida em Suzano, procurando soluções.

Agora todos ficam querendo saber o motivo de tanta violência...

Será que no fundo já não sabemos???

Os pais não são mais autoridade para seus filhos;

Os professores não são mais autoridade para seus alunos;

Vivemos dias de liberdade ampla e sem restrições onde tudo é liberado e permitido;

Somente direitos, direitos, direitos, nada de deveres ou cobranças;

Cantar Hino nas escolas virou motivo de ampla discussão, disciplina e hierarquia é tortura;

Baile funk é cultura, onde jovens usam drogas, fazem sexo na rua, perturbam o sossego das pessoas e o direito de ir e vir, mas se a polícia impedir é repressão;

Jogos de vídeo game onde se ganha ponto roubando ou matando velhinhos ou policiais, e achamos tudo isso legal e normal;

Será que não sabemos mesmo o motivo dessa barbárie???

Ou vamos continuar procurando uma resposta que já está explícita!?

O problema não está em portar ou não uma arma de fogo. O problema está em cada um.

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Concordo plenamente com o texto, o problema é bem mais complexo, atualmente ocorreu uma distorção do respeito a autoridade. continuar lendo

Isto não foi criminalidade comum, há de se separar os temas.

Para tratar a criminalidade comum, mesmo eventual, de vislumbrar o caso emblemático que ficou conhecido como "caso van-lou". A história viu as vítimas serem enterradas na em 74 e, depois de muitas idas e vindas em delegacias, os acusados foram a juri só e em 79. Lá eles pegaram 15 anos (van) e 20 (lou) pelos crimes. Então a sociedade pensou: "agora vai"! Lourdes foi levada para o presídio em um belíssimo Opala do início da década de 70. Então você pensa: imagine, quando ela sair de lá mal verá desses Opalas na rua e haverá Ômegas australianos! Mas dai em 1982 receberam liberdade condicional! Três anos por dois assassinatos! Deu tempo dela poder adquirir um Opalão zero km para ir à faculdade de direito. Então o problema do Brasil é que o estado não chega nos seus cidadãos e fala através de exemplos passando a mensagem clara: "- está mesmo a fim de matar? trinta aninhos? tá valendo?".

No caso dos da escola eram psicopatas e covardes a ponto de preferir morrer a pagar pelos crimes. Covardes pois xingavam policiais na Internet, mas escolheram atacar uma escola e não um quartel. Na escola não tinha armas. A Jorginho Veículos provavelmente também não. Estava fácil, foram oportunistas, como sempre. continuar lendo