jusbrasil.com.br
3 de Março de 2021

Governo brasileiro estaria escondendo a verdade sobre a onda de Microcefalia no Brasil.

Vacinas em caráter obrigatório foram dadas a mulheres grávidas sem qualquer estudo de efeitos colaterais.

Nadir Tarabori, Consultor Jurídico
Publicado por Nadir Tarabori
há 5 anos

Segundo pesquisadores do Sydney Ayurveda Center, na Austrália, o governo brasileiro estaria escondendo a verdadeira causa da onda de microcefalia, que seria uma vacina para tétano, difteria e coqueluche aplicada nas mulheres grávidas em desacordo com as recomendações do fabricante e sem estudos adequados de aplicação da vacina em gestantes. A aplicação das vacinas dTpa e DTA é parte de uma campanha do Ministério da Saúde e foi feita em caráter “obrigatório” nas gestantes.

Seguem trechos do relatório publicado pelos pesquisadores na Austrália.

No final de 2014, o Ministério da Saúde do Brasil anunciou a introdução da vacina dTpa (tétano, difteria e coqueluche acelular) para todas as mulheres grávidas no país, como parte de seu programa de vacinação de rotina. O movimento teve como objetivo tentar conter o ressurgimento da coqueluche no Brasil. O problema é que a vacina não estava plenamente testada e aprovada para gestantes, conforme o próprio fabricante e autoridades sanitárias estrangeiras.

Em dezembro de 2015, o governo brasileiro entrou em alerta depois que foi registrado o nascimento de 2.400 bebês com cabeças encolhidas (microcefalia) e com danos aos cérebros.

As autoridades de saúde pública não sabem de fato o que está causando o aumento dos casos de microcefalia em bebês nascidos no Brasil, mas estão teorizando que a grande incidência de microcefalia pode ser causada por um vírus conhecido como “Zika”, que é transmitida por mosquitos (Aedes aegypti) – da mesma forma como é o vírus do Nilo Ocidental.

A teoria é amplamente baseada no fato de que foi encontrado o vírus Zika em um bebê morto com microcefalia. O vírus também foi encontrado no líquido amniótico de duas mães cujos bebês tinham a doença.

Note-se que o Zika não é um novo vírus; está identificado faz décadas. Nenhuma explicação foi dada a respeito de porque de repente ele poderia estar causando todos esses casos de microcefalia. Ninguém está fazendo seriamente a pergunta: “O que mudou?”

Não há teorização sobre a possibilidade de que os casos de microcefalia possam estar relacionados com a obrigatoriedade da vacina dTpa para todas as mulheres grávidas no Brasil iniciada há quase um ano. O governo tem “presumido”, sem provas científicas, que a causa é um vírus.

Governo brasileiro estaria escondendo a verdade sobre a onda de Microcefalia no Brasil

Governo brasileiro estaria escondendo a verdade sobre a onda de Microcefalia

Fatos destacados pelos pesquisadores da Sydney Ayurveda Centre:

A fabricante da vacina não teria testado a segurança e a eficácia da aplicação da vacina dTpa a mulheres grávidas antes das vacinas serem licenciada. Quase não há dados sobre as respostas biológicas inflamatórios desta vacina, que poderia afetar a gravidez e o feto.

De acordo com a Food and Drug Administration (FDA) os testes não foram feitos em seres humanos para demonstrar a segurança para as mulheres grávidas e não se sabe se as vacinas podem causar danos ao feto ou afetar a capacidade reprodutiva.

Os estudos de toxicidade e de fertilidade humana dos fabricantes da vacina dTpa são inadequadas e advertem que dTpa deve “ser dado a uma mulher grávida apenas se claramente necessário.”

Há substâncias na vacina que não foram totalmente avaliados para os efeitos adversos potenciais genotóxicos ou outros sobre o feto humano em desenvolvimento no útero que podem afetar negativamente a saúde após o nascimento, incluindo adjuvantes de alumínio, conservantes contendo mercúrio (Thimerosal) e muitos mais bioativos e ingredientes potencialmente tóxicos.

Há sérios problemas com procedimentos de testes desatualizados para determinação da potência e toxicidade de vacinas contra coqueluche e alguns cientistas estão chamando a atenção para os limites a serem estabelecidos para o teor de toxina específica de vacinas contendo pertussis.

Não há estudos publicados sobre o mecanismo biológico que avaliem o estado de saúde antes da vacinação e depois ou que tenham medido as mudanças no cérebro e função imunológica e integridade cromossômica após a vacinação das mulheres grávidas e seus bebês em desenvolvimento no útero.

Desde o licenciamento da vacina dTpa nos EUA, não houve nenhum estudo bem fundamentado comparando os resultados de saúde de grandes grupos de mulheres que recebem uma vacina contendo pertussis dTpa durante a gravidez quer separadamente ou em simultâneo em comparação com aqueles que não recebem o vacinas. Não há comparações de resultados de saúde do seus recém-nascidos acompanhando o primeiro ano de vida. Não foram conduzidas avaliações de segurança e de eficácia realizadas com retrospectiva, comparando as mulheres vacinadas e as mulheres não vacinadas ou avaliações realizadas pelas empresas farmacêuticas e/ou as autoridades de saúde do governo brasileiro.

O FDA licenciou vacinas dTpa para ser administrada como dose única para indivíduos com mais de 10 ou 11 anos de idade. A recomendação do governo brasileiro de que os médicos dessem a todas as mulheres grávidas uma vacina dTpa durante a gravidez, independentemente de saber se uma mulher já recebeu uma dose da dTpa, trata-se de e uma utilização não indicada na bula da vacina.

Fonte: http://www.sydneyayurvedacentre.com/zika.html

17 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Doutor Nadir Tarabori!

Seus questionamentos são muito pertinentes sobre a MICROCEFALIA e suas possíveis causas!
Preciso me apresentar: Bióloga pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT, com especialização em Entomologia Médica – FIOCRUZ-RJ cursos que decidi fazer após vir residir no Mato Grosso e conhecer a “famigerada” DENGUE e o impressionante numero de casos à cada epidemia...Sou a MAIOR INIMIGA do mosquito Aedes aegypti!!!!! Graduei-me recentemente em DIREITO, para lutar pela Saúde Pública, e contra as Doenças Negligenciadas!
Mas, no caso da MICROCEFALIA sou advogada do mosquito que FOI INCRIMINADO para esconder as verdadeiras causas desta terrível anomalia que atinge centenas (milhares) de crianças brasileiras!
O Brasil é um dos principais consumidores de AGROTÓXICOS, e muitos desses compostos são proibidos em outros países, mas no Brasil são utilizados em larga escala sem uma preocupação em relação aos males que podem causar... Quem analisa e libera? Quais os interesses por trás de tudo?
Se analisarmos o surgimento destes casos de MICROCEFALIA, bem como os milhares de animais que estão nascendo com deformidades podemos concluir o quê?
Acredite, tem muita coisa obscura por trás do surgimento da MICROCEFALIA! continuar lendo

Muito bom o artigo, reflete uma breve realidade dos fatos. continuar lendo

Obrigada, doutor, por trazer esta notícia... continuar lendo

Divulgar essa informação é de extrema irresponsabilidade!

Observem o que vocês postaram: "Segundo pesquisadores do Sydney Ayurveda Center, na Austrália [...]". Isso é uma clara tentativa de dar credibilidade à fonte da suposta "pesquisa". Esse instituto é uma clinica de tratamentos alternativos na Austrália, não é nenhum centro de pesquisa. Eles trabalham com medicina alternativa conhecida como 'Ayurveda'. Não há se quer a necessidade do profissional dessa área ser formado em medicina na Austrália. No final do texto original ainda postam:
"(Note. Contains information pieced together—often copy and pasted—from newspaper articles and information from the National Vaccine Information Center.)"
comentando que essas informações foram recortadas (de onde eu não sei).

Isso é um HOAX, divulgar isso causa medo e desconfiança na população para tomar vacinas, que é muito mais danoso do que próprio Zica Virus. O mosquito deve ser combatido, divulgar essa informação ameniza a urgência do Aedes ser combatido.

Quer informação de confiança mesmo sem ser de fontes do nosso "confiável" governo? Procure no site da OMS, mesmo em ingles.

http://www.who.int/emergencies/zika-virus/response/en/

Por favor sejam mais responsáveis com o que publicam.

Att, continuar lendo

Muitos outros orgãos de saúde já se manifestaram a esse respeito, alertando de que não há nada que comprove que o mosquito está causando isso; além do mais, somente os ignorantes, quem não tem muito acesso às informações é que acreditam piamente nas informações do governo. continuar lendo

Prezado Sr. Valdir Salustino.

Quero acreditar que não houve má fé de sua parte em omitir que a nota do site original em inglês refere-se a textos reproduzidos do site National Vaccine Information Center que pode ser traduzido por Centro Nacional de Informações de Vacinas, uma organização independente e que dificilmente será manipulada pela OMS, ONU ou outra que só serve para fazer fachada de "preocupada com o bem estar mundial".

As informações do artigo do nobre colega Nadir Tarabori tem fundamentos, sim.

Se o site duma "clínica alternativa" foi o único que teve coragem para "copiar e colar" textos publicados por um centro de pesquisa sobre vacinas que alerta a população sobre os riscos e benefícios destas desde a década de 80, o mérito é todo dele!

Solidarizo-me ao colega Nadir e ao "Lan Mor", que também deixou seu comentário aqui.

Reforço que há muito marketing e pouquíssima verdade no que os governos divulgam. Há muitos interesses em jogo e o que menos podem expor agora, é a verdade. continuar lendo

Concordo com você, Valdir. O Centro Sidney de Ayurveda, que nem ramo reconhecido da medicina é, age de muita má-fé ao copiar e colar de várias fontes não citadas para corroborar suas próprias teorias sobre o uso de vacinas. Sendo a medicina ayurvédica uma pseudo-ciência com ensinos contrários à alopatia e se apoiando em elementos do hinduísmo para promover cura, é cláro que o caso brasileiro para ele é prato cheio. O autor do texto fala com ironia sobre o uso de DDT para combater o mosquito - se ele soubesse do uso do fumacê, por mais que tenha sido comprovado como inócuo para o ser humano, ele estaria vociferando até contra isso.

E discordar de um texto alarmista não é o mesmo que acreditar piamente no governo. É simplesmente o uso da razão e da lógica. E faz muita falta o estudo da lógica formal hoje em dia. continuar lendo

Prezado Lan mor,

Você mencionou que:
"Muitos outros orgãos de saúde já se manifestaram a esse respeito [...],"
Poderia por favor mencionar quais outros órgãos se manifestaram?

Edivaldo,

Obrigado por comentar sobre a National Vaccine Information Center.

O problema com o texto original da clinica é que ela cita que suas informações foram tiradas do "National Vaccine Information Center" mas ela não cita as informações originais, não posta links nem artigos corroborando sua teoria. Parece apenas um texto conspirador.

Concordo que confiar cegamente nas informações oficiais do governo não é o melhor meio mas desacreditar nas informações da OMS e das nossas agências de saúde é perigoso. Em casos extremos, a descrença nessas informações pode levar à casos como o do Instituto Royal, onde os cachorros da raça beagle foram resgatados, colocando em risco a saúde pública. continuar lendo

Sr Valdir,
Poderia, por favor, ler esta nota técnica:

https://www.abrasco.org.br/site/2016/02/nota-tecnica-sobre-microcefaliaedoencas-vetoriais-relacionadas-ao-aedes-aegypti-os-perigos-das-abordagens-com-larvicidasenebulizacoes-quimicas-fumace/ continuar lendo

https://www.abrasco.org.br/site/2016/02/nota-tecnica-sobre-microcefaliaedoencas-vetoriais-relacionadas-ao-aedes-aegypti-os-perigos-das-abordagens-com-larvicidasenebulizacoes-quimicas-fumace/ continuar lendo

Amigo de modéstia parte a OMS nessa epoca, pelo parecer ainda era "confiável". Hoje pelo o que me recordo, ela em seus "estudos" se equivocou duas vezes, então conjecturo que nao seria aconselhavel que sites de la seriam boas fontes 100% confiável continuar lendo